quarta-feira, 16 de março de 2011

de 14/2.

Não é difícil abrir meu coração. Difícil é entender o que tem dentro.

Não que seja especial ou queira ser. Acho que qualquer peito aberto é complicado demais.

Eu fico aqui, com a sensação de que tenho muita coisa pra falar. Mas não, eu já falei tudo, já falei o pouco e muito que precisava. Eu continuo repetindo, repetindo, trocando umas palavras, trocando meus pontos finais de lugar, pra ver se eu consigo ser convincente de que alguém nesse mundo pode ser especial, e talvez mais, que esse alguém seria eu.