sábado, 12 de janeiro de 2013

my weirdness

"Have you ever just sat there and realized how weird you are?"
...
Frequently.

Tenho o costume de, pra conseguir me distrair, às vezes, entrar no banheiro pra me olhar no espelho. Encosto na parede e começo. Ótima estratégia pra conseguir parar de pensar. O banheiro, sendo cômodo pequeno e fechado, tem algo de universo paralelo e impenetrável (a não ser que você não tranque a porta). Começo ainda pensando naquilo que me encheu até o ponto de ter que entrar lá. Depois de algum tempo, estou reparando no meu próprio rosto, lembrando de outras sessões de espelho, de como era ver meu rosto no espelho quando era criança, o quanto mudei, o quanto percebo que mudei e - mais que tudo - o quanto já esqueci da minha própria aparência. Ainda lembro bem do cabelo. Tijela. Mas ainda agora, diferente, o cabelo continua estragado. Vai se foder.
Dá pra colocar todo o foco (que é pouco) do cérebro em uma gota pingando da torneira. Nos próprios olhos, nos dentes. Mais amarelos? Nah... Impressão, acho. E nunca dá pra reparar nisso direito, então quem vai saber?
Ao fim do processo, com noventa e oito por cento das chances, consegui: estou pensando em nada (e muito provavelmente fazendo alguma careta pra mim mesmo). Que eu sou bonito pra caralho. Paro, dou risada, penso sem muita profundidade em quem gostaria de (suportaria) ouvir essa piada, lavo o rosto e pronto: consegui superar dez minutos.