quinta-feira, 29 de julho de 2010

DESABAFO: LONGO E MAL ESCRITO.

Bem, isso é constrangedor. Viver num mato sem cachorro constante, sem poder correr ou ser feliz de verdade. Tanta coisa ruim acontece e qualquer sinal de bonança parece um mar de alegrias. Não é bom, não é saudável.
Sou o tipo de gente que enfrenta as situações tentando poupar a minha dor e a dor do outro na minha frente. Não tenho medo de olhar no olho e dizer aquilo que precisa ser dito. Digo para o ser em questão e para os seres que não estão em questão: simplesmente não sou capaz de segurar mais nenhuma sentença, exceto em algumas ocasiões, para algumas pessoas. Isso é o que me preocupa. Essas pessoas de quem eu falo são as mesmas que deveriam me dar bons exemplos e resguardo nos dias escuros. Mas as vezes eu sinto nojo e repugnância das mesmas... Não é por que a vida está muito boa que devemos desafiar o acaso, brincar com a sorte. O mundo merece respeito. O serviçal merece. A puta merece. A criança merece. O mendigo e o indigente também. O MUNDO MERECE RESPEITO.
Jogar bosta no dinheiro e na integridade das pessoas não é direito. Corromper a vida de um humano em formação não é direito. Achar que a vida é boa demais não é direito. Achar que eu sou feliz demais é ilusão.
Não acredito que para sentir-se realizado e vingado seja necessário fazer coisas que eu não quero só para mostrar que eu tenho o poder na minha mão. Só faço o que quero. Nasci assim e tenho total autonomia para isso. Não sei comprar por comprar, comer por comer, amar por amar.
Não sei viver de falsas expectativas e muito menos com gente suja e hipócrita ao meu lado. É isso que eles são... Mesmo sem saber. As pessoas mudam com a convivência de outras. O luxo mata a bondade e a simplicidade. Eu gostava mais de andar com sapato de plástico e camisa de propaganda, de verdade - não mentia pra ninguém quando a minha vida era assim. Não quero ser formada e ganhar rios de dinheiro, tampouco quero amigos que me gostem somente por isso.
Eu PRECISO de uma família de verdade... Eu preciso que me escutem pelo menos uma vez. Eu sofro por isso e a cada dia percebo que não tenho a obrigação de amar quem tem o meu sangue.

domingo, 25 de julho de 2010

Inquietos.

É tudo verdade sobre o imponderável.

Por mais podre que tudo seja, aqui não há quem guarde tamanha dor pra si, pra morrer aos poucos. Aqui não há quem abaixe a cabeça para os abusos e as ofensas de quem, lá de fora, pensa que aguenta o tranco.
Não há entre nós quem aceite o suborno, quem se cale perante a injustiça ou se controle num momento dito solene por regra ou de qualquer natureza tão mediocremente humana. Ninguém aqui se opõe à revolução. Somos todos nós, os donos da rebeldia.
É nosso o arsenal das armas que quebram as correntes das regras de um século atrás pra abrir caminho, pra ampliar os campos. Pra que todos nós possamos olhar pra trás, arrepiar ao ver o que conquistamos, e em seguida correr adiante novamente. Nós não sossegamos. Não temos semana, muito menos o fim dela. Não temos horários, não temos sono regular e não temos meio-amigos.
Aqui não há quem não queira saber mais, beber mais, sorrir mais, viver mais. Não há aqui quem não saiba amar sem quebrar os limites a cada nova paixão.
Não há aqui sangue que não ferva pela vontade de continuar. Mesmo que os tempos sejam ruins, ora, sempre foram, afinal. Ninguém vence nesse terreno, essa guerra não é ganhável porque ela não tem fim.
Nós queremos o calor da batalha.
Nossa felicidade está em correr, em brigar, em trombar de frente com a vida, cair, respirar fundo e levantar de novo pra tentar outra vez.

''Para os tais desse mundo de normais
a vida é andar em corda bamba.
Mas para aqueles de extremos
a corda é arame farpado.''

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Cansada de procurar motivos para entender a vida, ******* calou-se e propôs a si mesma que levasse sua existência da meneira constante que já estava levando a algum tempo. Ela queria trabalhar mais e ganhar mais dinheiro, porém, não estava satisfeita com o seu trabalho. Dar aulas de inglês não fazia seu coração palpitar - ela tinha isso como profissão pois morou em NewOrleans durante algum tempo devido ao trabalho de sua mãe no consulado.
Ela não gostava de caminhar pelas ruas de Copacabana. Não gostava de sentir a presença de muita gente aglomerada e adotou a teoria de que talvez existisse muita gente ou pouca calçada ou então muita gente para pouca calçada.
Tinha loucura por suas gatas. Tinha alguns machos também, mas não eram castrados e fugiram de seu apartamento.
******* passava a maior parte do tempo sozinha. Tinha um namorado que a visitava algumas vezes por semana.
Nos momentos de solidão, pintava quadros e escrevia poemas em inglês.
A mulher garota não conseguia olhar nos olhos das pessoas. Tudo o que ela dizia era verdade e o fato de não conseguir encarar seus interlocutores cabia apenas ao medo que ela sentia. Um sentimento de medo desconhecido que não ousava explicar e nem sequer entender.
******* se auto intitulava "uma pessoa dúbia" por detestar certas coisas e mesmo assim, amar incondicionalmente outras.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

diálogos.2

-E aí?
-Aqui nada, e aí?
-Nada além do bêbado da semana passada de novo, no mesmo lugar, fazendo a mesma coisa, na mesma hora.
-Você vai?
-Eu não. Fui semana passada. Hoje vai você.
-Mas você já conhece a peça, já sabe como agir..
-Me faltava essa. Nem vou, hein.
-Eu também não, hein.
-Chefia vai ficar puto, hein.
-Pareço preocupado?
-Não, hein.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

- Os amores que joguei pela janela esperando você...
- Jamais pedi que me esperasse. Dei certeza de meu caráter duvidoso e de minha vida insensata.
- Não te culpo por isso. Acho que o erro foi inteiramente de minha parte, deveria ter ouvido as pessoas que me quiseram bem.
- Concordo com você, apesar de gostar da sua presença e da sua carne.
- Você gosta da minha presença?
- Gosto da sua presença.
- ...
- Gosto da sua presença e de você, mas não tenho o mínimo controle sobre as minhas ações. Voltaria a te magoar se você me deixasse.
- Você é sádico?
- Eu não sou sádico.
- O que você é, então?
- Sou egoísta. Quero você, mas não sei querer apenas você.
- ...
- ...
- Pode voltar a noite, a porta estará aberta.
- Você me perdoou denovo?
- Sim.
- Não voltarei essa noite.

sábado, 17 de julho de 2010

diálogos

-E aí? O que tem pra hoje?
-Uma ursa querendo virar cão labrador e um cara que acordou achando que é o Dallas Green e não para de cantar homossexualmente dentro de casa.
-Que bom então que é dentro de casa.
-É. E o que faremos?
-Deixa assim, quando a coisa pegar fogo a gente vê o que vira.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

nota: quem escreveu essa musica do Engenheiros foi o Hugo. pra mim, Engenheiros é coisa de viado.
(as pessoas me odeiam por isso)

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Terceira do Plural

corrida pra vender cigarro
cigarro pra vender remédio
remédio pra curar a tosse
tossir, cuspir, jogar pra fora
corrida pra vender os carros
pneu, cerveja e gasolina
cabeça pra usar boné
e professar a fé de quem patrocina

eles querem te vender
eles querem te comprar
eles querem te matar - de rir
querem te fazer chorar.

quem são eles?
quem eles pensam que são?

corrida contra o relógio
silicone contra a gravidade
dedo no gatilho, velocidade
quem mente antes diz a verdade
satisfação garantida
obsolescência programada
eles ganham a corrida antes mesmo da largada

e eles querem te vender
eles querem te comprar
querem te matar, a sede
eles querem te sedar.

me digam, quem são eles?
quem eles pensam que são?

vender, comprar, vendar os olhos
jogar a rede... contra a parede
querem te deixar com sede
não querem nos deixar pensar

quem são eles?!
quem eles pensam que são?!


-Engenheiros do Hawaii

sábado, 10 de julho de 2010

Cap. [??]

Um estrondo, e é a porta que vai ao chão. Passos firmes e ansiosos entram e não se intimidam, nem sequer desaceleram, na presença de todos os Superiores. Pára, sorri levemente, o dever cumprido gargalha sobre o prêmio desejado.

- Vosso desejo. E agora, minha recompensa.
- É uma pena...

?

- É uma pena proporcionar-lhe tanta frustração.
E os Superiores desaparecem como fumaça esfacelada por brisa suave. Um último demora mais.
- O que é isso?! Voltem aqui! Você! O que significa- eu- AS MINHAS ASAS!!
- Você foi excepcional. - e a última voz distorcida de divindade sumiu junto com seu dono na calma daquela bruta sala de paredes de pedra.

O sorriso confiante foi rompido. Os olhos descansaram. O punho se fechou.
Uma vida de pensamentos aparentemente se passou pela mente daquele homem enquanto respirava fundo e entendia o que acontecera. Um silêncio diferente limpou o castelo de qualquer ruído para precedir a uma jura gutural.

- MATAREI TODOS VOCÊS!! Malditos sejam! Criaturas dos infernos, filhos-da-puta, arrogantes desgraçados!

E agora não era uma simples porta que caía. Eram paredes e pilares. Qualquer pedra diante daquela erupção de raiva era um obstáculo a ser queimado e desintegrado com todo o ódio que uma vida de enganos pode suportar. Mentiras. Mentira!
A clava quebrou e trincou tudo que estivesse ao seu alcance até um pingo de calma surgir.
O homem ofegava.
Fechou os olhos, perdeu expressão e desarmou-se.
Um pingo de calma e razão não eliminou aquela raiva, apenas a domou. Estava agora enjaulada. Não foi engolida. Apenas guardada para ser expelida depois. Enjaulada, pra ser solta no momento certo.
E agora o anjo de uma asa só começa a andar. Uma promessa pra si mesmo.

- Em breve, deuses implorarão por misericórdia. Sentirão todos o mais humano dos arrependimentos, e oferecerão todos os mais divinos presentes. E depois de chorarem perante o mundo do qual abusam, se derretendo de vergonha, terão a mais desumana de todas as mortes.

Espero que haja um inferno para vocês, ou eu irei criá-lo.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

4 de Abril de 1958 - 7 de Julho de 1990
"meus heróis morreram de overdose. meus inimigos estão no poder. IDEOLOGIA, EU QUERO UMA PRA VIVER!"

terça-feira, 6 de julho de 2010

o molho e o frango.

acidente de trânsito ontem.
um homem, ao entrar no carro estacionado à direita da rua, abriu a porta sem prestar atenção e ralou a lateral do carro do babaca que estava passando.

-e o que nós vamos fazer?
-ué, quem você acha que tá errado?!

não tem segunda-feira melhor.
tá, tá... todo mundo faz cagada.
liga pro seguro. é bom fazer um B.O.

dia seguinte: fazer B.O.

-bom dia, B.O. de acidente de trânsito.
-a outra parte?
-muito longe daqui, espero eu.
-olha, vou te dizer, é o que eu digo, se pensa bem se precisa mesmo fazer porque o tem de gente que vem aqui e faz e depois nem volta pra pegar, olha, é o que eu falo, se quer fazer, vamo lá.
-mas eu preciso fazer por efeitos de direito, pra seguro. (blas blas blas)
-bom, então vamo lá, pode sentar aí.

...

-o sr. tem outro documento do veículo?
-hmmm... não?
-esse documento tá vencido por 5 dias, seu veículo vai ser apreendido.
- B E L E Z A
- bom, esse documento aqui é da multa pelo documento vencido e blas bla bla bla você pode se negar a assinar, ou assinar.
-e qual a diferença?
-nnnnnenhuma.
-então não vou assinar.
-então tá bom. ó, essa ficha aqui mostra que seu veículo tá retido, você tem que fazer outro documento pro carro, e essa ficha a gente tem cinco dias pra mandar láááa pra delegacia de trânsito aí o sr. com seu novo documento vai pra la e ai vai poder remover o carro do guincho, mas só a sra. dona do veículo é que vai poder ir lá retirar ele, e aí, é o que eu digo, pra guinchar o sr. pode deixar que a gente guinche, ou pode o sr. mesmo levar o carro até lá e depois que o delegado autorizar também então, ENTÃO, é mais fácil pelo, viiiiiish, bem mais fácil pelo despachante sim. é. pois é. então. o sr. aguarda um pouco que o nosso soldado já tá vindo.

- Q

- o sr. viu só, é o que eu digo, as vezes a pessoa vem aqui toda apressada pra fazer um b.o. e tá com documentação errada, e aí que que a gente pode fazer né? pois é, outro dia uma mulher tava até com a carta vencida, aí, vish, que que a gente faz né? é o que eu falo pro sr., pensa beeem, depois faz! ééée complicado né, mas depois também, é o que eu digo, como é que fica, né? pois é.
tinha alguuma coisa me dizendo pra não fazer seu b.o., se viu que eu te disse quando chegou né? mas é o que eu te disse. é isso. GUINCHA AQUI, JOSUÉ!


no pátio, cercado de carros e motos parados:
-o preço vai ser 180 por 5 dias e mais 18 reais por dia que o veículo ficar aqui, sr. aqui como se pode ver tá tudo anotado sobre seu veículo, do jeito que entrou, ele tem que sair né. hehe.



~~~~~~~~
7 pontos.
é o que eu digo.
quem aí tá afim de perder a CNH?

QUE PAIS É ESSE?

Difícil não se lembrar do título da canção de Renato Russo, cantada pela sua banda Legião Urbana, ao ler a coluna da competente Mônica Bergamo no último domingo. Antes de seguir em frente, digo logo que não sou nenhum comunista. Considero o capitalismo, dentro das circunstâncias atuais, o modelo mais apropriado para garantir o crescimento da economia mundial, com seu estímulo à competitividade e à lucratividade. Não é um modelo perfeito, mas funciona com todas as suas imperfeições. Entre elas, a principal, em minha opinião, é não ter eliminado ou reduzido a contento o fosso entre ricos e pobres.

Bem, voltando ao início, é exatamente por isso que, ao ler a coluna de Mônica Bergamo, bateu o mesmo questionamento de Renato Russo. Impossível, na minha opinião, ler o "Guia da Pechincha" e não perguntar "que país é esse?". Está lá impresso, no caderno Ilustrada da Folha, que foi aberta a temporada de liquidações das grifes internacionais e clientes saíram correndo para comprar casacos por R$ 28 mil, vestidos por R$ 16 mil e botas por R$ 3.000. E, segundo registra a jornalista, a turma do andar de cima, como diz Elio Gaspari, achou tudo barato, avaliou que "o preço tava ótimo!".

A coluna de Bergamo revela o mundo da pechincha das grifes internacionais, de como o andar de cima consome o seu dinheirinho. Tudo bem, eles têm direito de gastar sua grana do jeito que quiserem, ainda mais se foi ganho honestamente. Ninguém tem nada com isso. Cada um faz o que quiser com o que é seu. Não vou nem entrar em comparações sobre quantas famílias poderiam receber o benefício do Bolsa Família com o casaco de R$ 28 mil adquirido na liquidação. Gostaria, sinceramente, é que a turma que governa esse país parasse para meditar um pouquinho sobre essas cenas de realismo fantástico relatadas no "Guia da Pechincha". Principalmente os políticos, como Serra e Dilma, que, neste ano eleitoral, estão disputando a sucessão do presidente Lula.

Sabe por quê? Primeiro, porque, proporcionalmente, o rico paga muito menos imposto do que as classes média e baixa desse país chamado Brasil. A baixa não paga impostos diretamente, mas sofre com a tributação indireta embutida nos produtos que consome. A média é tributada diretamente pelo Leão da Receita Federal e não tem como fugir da mordida. Quando tenta, corre o risco de cair na famosa malha fina. Já a classe alta, a verdadeiramente rica, tem fórmulas e fórmulas de fugir da tributação. As famosas brechas tributárias, ou elisão fiscal, no jargão fiscal. Assim, essa classe deixa de contribuir como deveria para os cofres públicos.

Enquanto isso, ela desfila pelas liquidações de grifes internacionais, torrando até R$ 200 mil em casacos de pele, de couro e outras peças por cabeça. Isso mesmo, uma única pessoa torrou essa grana na liquidação. Repetindo, se o dinheiro é dela, o que eu tenho com isso? Ela tem o direito de fazer da sua grana o que bem entender. Só que, quem governa esse país, deveria dar uma olhada mais atenta sobre essa turma. Checar se realmente está pagando impostos equivalentes ao seu poder de compra. Com certeza, vão descobrir que muitos não estão. Posso estar errado, mas a pessoa que comprou uma única peça de grife internacional por R$ 35 mil pode muito bem não ter contribuído para a Receita tanto quanto um assalariado de classe média. O triste da história é que, se esse grupo pagasse na mesma proporção que os demais, o tal fosso entre ricos e pobres poderia ser menor.

Aí vem o segundo ponto que os candidatos deveriam observar. Enquanto alguns poucos têm mais do que o suficiente para torrar sua grana em grifes internacionais, a maioria sobrevive com baixos salários. Esse fosso entre classes é o retrato da nossa desigualdade de renda, que está entre as maiores do mundo. Isso mesmo, continua sendo uma das maiores do mundo. E trabalhar para reduzi-la não significa ir contra o sistema em vigor. Pelo contrário. A experiência mostra, inclusive, que a economia melhora quanto mais renda for distribuída.

O detalhe dessa questão é que ninguém se mostra muito disposto a mexer com esse pessoal da classe alta. Principalmente quando se chega ao poder e com ele começa a conviver.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/valdocruz/762301-que-pais-e-esse.shtml

quinta-feira, 1 de julho de 2010

HUGO E A MÃE DELE (puta que pariu, dispensa descrições)


SONETO - CHICO BUARQUE

Por que me descobriste no abandono
Com que tortura me arrancaste um beijo
Por que me incendiaste de desejo
Quando eu estava bem, morta de sono

Com que mentira abriste meu segredo
De que romance antigo me roubaste
Com que raio de luz me iluminaste
Quando eu estava bem, morta de medo

Por que não me deixaste adormecida
E me indicaste o mar, com que navio
E me deixaste só, com que saída

Por que desceste ao meu porão sombrio
Com que direito me ensinaste a vida
Quando eu estava bem, morta de frio


(um dos poemas mais lindos que eu já li)